P R E F Á C I O

Certa vez, há 4 anos, visitou-me um jovem mineiro de Santo Antônio do Monte, Carlos Lúcio Gontijo, de personalidade atraente, de inteligência penetrante, que sabendo de minha qualidade de crítico literário de conhecido matutino de Belo Horizonte, trazia-me, para exame, os seus versos. Entregou-me um punhado de poemas, e depois da leitura do primeiro, surpreendido, lí-os todos de um só jacto, dada a qualidade e a revelação poética que os mesmos continha. Poesia anunciadora, diferente, algumas vezes agressiva, no bom sentido, incomum até na sua formulação e original no seu ritmo e, sobretudo trazendo em cada palavra uma imensa mensagem de humanidade, de protesto, de crítica e de profunda ironia.
Carlos Lúcio Gontijo é um poeta dos mais expressivos que conheci nesses últimos tempos, de tão pouca poesia, de tão raros talentos e também de muita mediocridade. Seu livro de estréia bem demonstra o que acabamos de deixar enunciado, e já é uma forte afirmação do quanto o poeta estreante, mas já poeta maiúsculo, poderá ainda dar-nos.
E certo estamos de que em futuro próximo, o nome de Carlos Lúcio Gontijo atravessará com a sua novel obra poética de singular substância, as fronteiras de Minas, para ganhar foros nacionais.

José Egydio Farinha

Capa e diagramação:
Carlos Lúcio Gontijo
1ª Edição, março 1977.
Composto pela JADA Composição

Impresso pela Editora da Providência
Nossa Senhora da Conceição
Belo Horizonte - MG

Gontijo, Carlos Lúcio: Ventre do Mundo
Poesia - 1ª ed. - Belo Horizonte 1977